Roda de Conversa Afroconsciência discute promoção da educação das relações Étnico-Raciais


Nos dias 20 e 21 de junho, a Secretaria de Estado da Educação de Minas Gerais realizou em Belo Horizonte a Roda de Conversa Afroconsciência. O evento teve o objetivo de promover o diálogo entre os diversos atores do cenário educacional e potencializar o desenvolvimento intelectual, social e acadêmico dos jovens do Ensino Médio das Escolas Estaduais.

A implantação de uma ação política inovadora no cenário nacional está sendo  construída a partir dos documentos internacionais de promoção da igualdade racial e de combate ao racismo  fortalecendo a efetiva implementação das Leis nº 10.639/03 e  nº 11.645/08 . Tais ações encontram-se em consonância com programas de atividades da Década Internacional de Povos Afrodescendentes, Resolução ONU nº68/237 e dialoga também  com as perspectivas  de trabalhos sinalizadas pelo Sistema Nacional de Promoção  da Igualdade Racial - SINAPIR.

A formação dos Núcleos de Pesquisa e Estudos Africanos e Afro-brasileiros e da Diáspora – NUPPEAAS/MG, na circunscrição da Superintendência Regional de Ensino de Carangola, acontecerá nas escolas-pólo: E.E. João Belo de Oliveira em Carangola,  E.E. Altivo Leopoldino de Souza em Espera Feliz e a E.E. Dr. Pedro Paulo Netto do município de Divino. Estas escolas serão espaços de reflexão, pesquisa e produção científica, cultural e artística com enfoque na história, ciência, tecnologia, filosofia e trajetória político-social dos africanos em diáspora e cultura afro-brasileira que contribuirão para a ressignificar da trajetória escolar dos estudantes das demais escolas de Ensino Médio.






I Seminário Mundial de Artes e Culturas Negras

Entre os dias 09 e 10 de junho, o Governo do Estado  de Minas Gerais realizou, em Belo Horizonte, o Seminário Mundial de Artes e Culturas Negras.  A equipe do Casarão das Artes se fez presente.  Rosália Diogo, presidenta de honra do Casarão das Artes mediou a mesa: África/Diáspora - Convergências Possíveis.
O Seminário é preparatório para o 4º Festival Mundial de Artes e Culturas Negras, a ser realizado em Belo Horizonte, em outubro de 2017.


Organizado pelo Governo de Minas, por meio das Secretarias de Educação, de Cultura, e de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania, e da Assessoria de Relações Internacionais, em parceria com o Comitê Curador do Seminário Mundial das Artes e Cultura Negra, o evento tem por objetivo contribuir na identificação dos desafios e possibilidades, no sentido de estabelecer espaços para o diálogo e o intercâmbio de experiências, com vistas a estreitar a aproximação dos nossos povos, dos movimentos sociais na Diáspora e em África, tecendo redes de solidariedade efetiva entre a África, Brasil, América Latina, o Caribe, Europa, Ásia e os Estados Unidos.
Durante os dois dias de evento, foram realizados debates que contaram com participantes de diferentes países como o professor da Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, Dr. Tukufu Zuberi; o professor e representante da Rede Afro Venezuela, Diógenes Dias; a Vice Governadora da Província de Luanda, na Angola, Jovelina Imperial e a ex-ministra Chefe de Estado do Ministério das Mulheres da igualdade Racial, Nilma Lino.

Encontro das Redes de Saberes Quilombola na UEMG Carangola


O analista educacional Carlos Arruda, representando a Superintendência Regional de Ensino da Carangola, participou do 5º Encontro das Redes de Saberes Quilombola, coordenado pela professora do curso de Geografia, Mariana Vilhena de Faria, UEMG - Unidade Carangola, ocorrido em 12 de dezembro de 2015, na própria Unidade/UEMG.
O objetivo foi propor encontro entre as lideranças e Comunidades para o fortalecimento das Culturas e Povos Tradicionais da região da Zona da Mata Mineira.





1ª Caminhada da Promoção da Igualdade Racial em Carangola



A Secretaria de Estado de Educação de Minas Gerais, por meio da Superintendência de Modalidades e Temáticas Especiais de Ensino, em parceria com a Secretaria de Estado de Esportes (SEESP), realizou em 20 de novembro de 2015, em todo o Estado de Minas Gerais, a 1ª CAMINHADA DA PROMOÇÃO DA IGUALDADE RACIAL como parte integrante da Campanha AfroConsciência para celebrar o Dia da Consciência Negra.



A 1ª Caminhada da Promoção da Igualdade Racial em Carangola teve por objetivo, reconhecer e valorizar a História e a Cultura dos Africanos na formação da sociedade brasileira. A promoção de uma Educação para as Relações Étnico-Raciais nas escolas da rede pública do estado, em cumprimento à Lei Federal nº 10.639/2003, é fundamental para a superação dos preconceitos históricos, garantindo assim condições iguais de aprendizagem e desenvolvimento de todos. O desafio é mais do que adotar, nas diferentes disciplinas, os conteúdos que conferem a real dimensão da contribuição africana na formação da identidade nacional. É preciso oferecer aos jovens mineiros uma nova perspectiva histórica, um novo caminho para o exercício da cidadania, por meio de uma educação cada vez mais abrangente e inclusiva.







Encontro com os Especialistas das Escolas Estaduais da SRE Carangola



Realizou-se no município de Carangola-MG, sede da Superintendência Regional de Ensino, em 06 de novembro de 2015, Encontro com os Especialistas das Escolas Estaduais pertencentes circunscrição da SRE Carangola. 

O objetivo foi refletir sobre as possíveis estratégias de melhorias das relações étnico-raciais nas escolas, como também, discutir um planejamento para o mês da Consciência Negra e a realização da 1ª Caminhada da Promoção da Igualdade Racial proposta pela Superintendência de Modalidades e Temáticas Especiais de Ensino/SEE-MG, como parte integrante da Campanha AfroConsciência.

I Seminário "Educar para a Igualdade Racial" em Carangola-MG


Com o intuito de fortalecer a Campanha "Afro-consciência: com essa história a escola tem tudo a ver", a  Superintendência Regional de Ensino de Carangola realizou no dia 01 de setembro de 2015, o I SEMINÁRIO REGIONAL "EDUCAR PARA A IGUALDADE RACIAL" em parceria com Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG) - Unidade Carangola, com objetivo avaliar junto aos gestores e professores das escolas públicas e privadas, o cumprimento da Lei Federal 10.639/03, que determina a inclusão da história e da cultura afro-brasileiras no currículo escolar, como também, estimular ações afirmativas de promoção da igualdade racial na circunscrição da SRE Carangola.


O Seminário foi uma iniciativa da Diretora Educacional da SRE Carangola, Maria Fátima Gomes de Oliveira que contou com a participação de mais de 200 pessoas, das quais estavam os professores e alunos da UEMG e representantes das Secretarias de Educação dos 11 municípios atendidos pela SRE Carangola.


O Seminário contou  com a ilustre presença da professora Iara Félix Viana, Superintendente das Modalidades e Temáticas Especiais de Ensino da SEE-MG, convidada abordou com sobre a Campanha Afro-Consciência e os aspectos pedagógicos envolvidos na organização da escola. E, também, da educadora e cantora Elzelina Dóris dos Santos que demonstrou, a partir do projeto "Cantando a História do Samba", aspectos didáticos relacionados ao desenvolvimento da temática racial.

Yara Félix Viana

Elzelina Dóris dos Santos

 Yara F. Viana  (Superintendente) e Miriam R. Dutra (Assessora Pedagógica)

 
 Carlos Arruda (Analista), Maria Fátima G. Oliveira (Diretora Educacional) e Dóris (cantora)




História e cultura africana e afro-brasileira na educação infantil


http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002270/227009POR.pdf

O livro é uma ferramenta fundamental e disponibiliza tanto para os professores responsáveis e compromissados com a educação da primeira infância quanto para os interessados de modo geral em uma educação e em um país justo e igualitário, conteúdos sólidos para a formação e o conhecimento sobre a riqueza, as diferenças e a diversidade da história e da cultura africana e suas influências na história e na cultura do povo brasileiro, em especial, da população afro-brasileira. Por meio dos projetos pedagógicos presentes na publicação, os(as) professores(as), a comunidade e os demais profissionais envolvidos com a história, a vida e a educação das crianças, poderão construir atividades e desenvolver práticas pedagógicas promotoras da igualdade étnico-racial.